segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Fantasia

Ah, meu amigo, pois você precisava tê-la conhecido antes. Seus olhos nunca se perdiam ao olhar os meus. Pelo contrário, entravam tão profundamente na minha alma que descobriam até o que eu tentava esconder de mim. Sua boca não resistia a um toque que fosse, se entregava aos meus beijos com a sede de quem percorre um deserto no verão. Seu estômago tinha criação de borboletas que preenchiam esse vazio enorme que a faz sofrer tanto. Seus abraços eram tão ternos e calorosos que eu podia passar um dia inteiro naquele aconchego. Suas pernas estremeciam de saudade, de paixão e de vontade. Ela sonhava e não tinha medo de sentir.