sábado, 28 de junho de 2014

Um decreto

Institua-se um decreto onde a desonestidade seja proibida. Onde a mentira e a falta de respeito sejam punidos. Institua-se um decreto onde seja proibido partir um coração, sob pena de sofrer o mesmo, em proporções maiores. Institua-se um decreto onde seja crime dizer o que não sente, prometer o que não pode cumprir. Onde a preocupação com o sentimento do outro seja obrigatória. Por favor, institua-se um decreto onde as pessoas sejam obrigadas à sinceridade. Onde não se minta só para obter vantagens.

Institua-se um decreto onde seja proibido, terminantemente proibido brincar com os sentimentos alheios. Onde o papo furado seja censurado e as mentiras, castigadas. Um decreto que nos salve e nos preserve de tanto desamor e tanta desilusão.