sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Veríssimo, gênio I

Guia do Carnaval

Luis Fernando Veríssimo, em Histórias Brasileiras de Verão

O turista que chega para assistir ao nosso Carnaval pode ter alguma dificuldade em entender o que está vendo e ouvindo nas ruas, nos bailes, nas transmissões de TV etc. e perderá muito do significado da nossa maior festa popular. Por isto preparei um pequeno guia para sua orientação e um glossário com as principais palavras e frases que ele ouvirá durante sua estada.

Para começar, o que é Carnaval?

Bem, o Carnaval (pronuncia-se car-nah-val) já existia na Europa quando o Brasil foi descoberto, só que com roupa. Ele veio ans caravelas portuguesas junto com o nosso descobridor, Pedro Álvares Cabral. (pey-dro al-va-rays ca-brawl), e aqui incorporou elementos nativos como bateria, baianas, bicheiros, cambistas e, claro, a principal, contribuição do Novo Mundo ao rito milenar, a miçanga (miss-ang-ah). No calendário cristão, como se sabe, o Carnaval é a festa do “adeus à carne”  que precede a Quaresma. No Brasil é a mesma coisa, só que a gente dá adeus à carne mas ela não vai embora.

***

Quanto dura o Carnaval? O Carnaval é um tríodo de cinco dias: sexta, sábado, domingo, segunda e terça; Tem uma vez por ano, menos na Bahia, onde o atual Carnaval é o de 1948, que ainda não terminou.

***

Eis algumas expressões que você, turista, ouvirá durante os folguedos (fowl-gay-dos).

“Oba” (oh-bah) – Palavra de origem nativa. Ouvida pela primeira vez quando os tupinambás viram seu primeiro europeu, quem em seguida comeram. Desde então, ficou como manifestação prazerosa da expectativa de comer alguém ou alguma coisa, mesmo hipoteticamente (he-po-tay-etc.).

“Epa” (eh-pah) – O oposto de “oba”. Usada por quem ouve um “oba” e se apressa a esclarecer que não pode ser com ele.

“Evoé!” – “Oba!” em Juiz de Fora.

“Ai!” – Expressão de dor. Como “ouch”  em inglês, “ai-o” em italiano, “merde” em frencês e “grossenwienerzschzipel” em alemão.

“Ui!” – Expressão dúbia (doo-bia). Tanto pode ser de dor como de alguém cuja espinha dorsal está sendo riscada sugestivamente com um picolé. De qualquer maneira, mantenha-se à distância.

“É um assalto!” – Significa que você está sendo assaltado, por um meliante (may-lee-anti) ou por um político. Dá para distinguir o político porque, antes, ele pede o seu voto.

“Light” – Escuro.

“Polícia!” – Termo de retórica, com pouca utilidade real.

***

E aqui está um pequeno dicionário com frases práticas que poderão ser úteis ao turista no Carnaval, caso ele se perca do guia.

Where is the american (ou italian, ou french, etc.) consulate?” – Estou apertado. Deve ter sido o angu. Onde tem um toalete por aqui?

How much?” – Quanto?

WHAT?!” – Tá doido!

No, I do not want to hold your ganzá” – Manera, pô.

Help!” – Ziriguidum (see-ree-gui-doom)!