quarta-feira, 6 de agosto de 2014

E o meu coração se deixou levar

Ela queria me contar o quanto o destino pode ser cruel nesses assuntos do coração, uma tentativa sem sucesso de me proteger das decepções. Apesar de tão pouca idade naquela época, eu já havia percebido.

Meu amor, dizia, não deixe que seu coração seja feito de bobo.

O problema é que eu nasci com a teimosia das mulheres da família, com essa síndrome da persistência, essa dificuldade de me dar por vencida. Não desisto antes de ter certeza que fiz tudo o que poderia. Acabo, eu mesma, enganando meu coração.

Apesar dos seus conselhos, eu me deixei levar. E me deixarei levar todas as vezes que fizerem meus olhos brilharem. Sou mesmo feita de amores, lágrimas e cicatrizes.