segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Que venha 2015!

Foi um ano de sensações, sem dúvida. Dúvidas, separações, inseguranças. Autoconhecimento. Fechamento para balanço. Paixões, experiências, sorrisos. Sorrisos. Sorrisos.

Foi um ano de grandes momentos e pequenas viagens. Copa, eleições. Rio, São Paulo, BH, Belém, Macapá. Nenhum grande evento, mas eventos memoráveis.

Um ano de pessoas, indo e vindo. De encontros, desencontros e reencontros. De surpresas, algumas boas, outras nem tanto. De cultivo, cuidado. Um ano de olhar pra dentro, pra onde nunca que se quer olhar e ver o que não se quer ver. De avaliar e reavaliar. De se arrepender e se arriscar. Um ano de descobertas.

Descobri que é possível perdoar até o imperdoável. Se apaixonar pelo oposto. Ter paz no conflito. Amar o detestável. Compreender o incompreensível. E, de novo, perdoar de coração, sem querer nada em troca.

Não corri, mas dancei. Não fiquei mais paciente, mas fiz novos e bons amigos. Senti um monte de saudade e abri meu coração. Li pouco, escrevi muito. Ri menos do que queria, tomei menos sol do que gostaria mas, olha só, já consigo me equilibrar no skate!

Chego ao fim de 2014 de alma lavada, faxina feita dentro do coração, pulmão cheio de ares renovados, membros livres, músculos tonificados de esperança, ossos leves de paz.
2015, te espero de braços e peito aberto.