quinta-feira, 6 de março de 2014

Quarta-feira de cinzas

Queria mesmo era fazer da sua vida um eterno Carnaval. Ao invés da roupa social, poderia escolher todo dia uma fantasia para viver. Ao invés de maquiagem, encheria o rosto de purpurina de manhã. Não daria bom dia, daria abraços e jogaria confetes e serpentina em quem passasse. Seus passos seguiriam o ritmo das marchinhas preferida. Seu coração amaria e desamaria em questão de minutos, ou segundos. Inventaria paixões e viveria uma saudade por dia. Distribuiria sorrisos e notas musicais. De sete em sete dias, deitaria com as pernas pra cima pra descansar as cinzas. No dia seguinte, começaria tudo novamente.