segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Atuando

Nunca tive coragem de confessar que odiei Ana Karenina e não via a menor graça na literatura russa que você adora. Tentava me mostrar interessada, mas tudo me entediava, do mesmo jeito que eu ficava quando você falava de carros ou contava pela décima quinta vez uma história de sucesso da sua vida (eram 4 ou 5 e eu não aguentava mais nenhuma delas).

Eu não me identificava com aquilo. Eu gosto de literatura latina. Eu amo Carnaval. Eu queria passar o dia na praia, torrando no sol. Eu queria ter assistido um musical na Broadway. Defendo o feminismo, os homossexuais, os negros e as outras minorias; sou a favor das manifestações, das greves, do aborto, choro com notícia de jornal; a sua opinião acerca desses assuntos me chocava. Detesto carro. Não suportava mais as mesmas histórias, as mesmas angústias, as mesmas crises, as mesmas dúvidas.

Eu atuava para mim, tentando me convencer de que tínhamos algo em comum.