domingo, 9 de dezembro de 2012

E é por conhecer tão bem.


Da última vez que se encontraram ele reafirmou: ela ainda era a pessoa que mais o conhecia na vida. E provavelmente será por muito tempo. Afinal, não foram dias, meses, foram anos. Não foi um casinho, mas o relacionamento mais sério, mais consistente que já tiveram.

E é por conhecê-lo tanto que ela às vezes se pergunta como isso tudo começou e porque tomou o rumo que tomou. Porque ela sabe que isso não é coisa dele. Porque ela sabe do que ele gosta e não gosta, do que ele acredita e não acredita. E sabe que isso, definitivamente, não condiz com a personalidade dele.

Mas ela também sabe do quanto ele é inconstante. Sabe como as coisas mudam na cabeça dele em questão de dias. Desde que o conhece ele não relaxa em absolutamente nada que faz. Sua empolgação dura poucos meses e logo, logo ele já quer mudar. É assim com os planos, é assim com a profissão, porque não com o amor, né? 

E se é assim com o amor também, sente pena, muita pena. Porque agora foi com ela, amanhã será com a outra, e ele pulará de galho em galho, até não encontrar mais ninguém disposto a embarcar em tanta angústia, tanta ansiedade.