segunda-feira, 23 de abril de 2012

Fotografia, Instagram e uma homenagem a Brasília

Primeiro eu queria escrever uma homenagem a minha cidade, que completou 52 anos no último sábado (21). Depois veio um momento ego e eu pensei em escrever sobre minhas fotos que foram impressas nas paradas de ônibus de Brasília, em uma ação promovida pela Banda Móveis Coloniais de Acaju. Por fim, fiquei pensando que isso tudo podia ter um link comum: o Instagram.

Parece confuso? Já vou explicar.

Para quem não sabe, o Instagram é um aplicativo de compartilhamento de fotos para IPhone e Android. Mas não é só isso, com uma variedade de filtros muito legais, ele transforma fotos mais simples em fotografias lindas. Por isso, exerce enorme atração entre fotógrafos, designers e pessoas ligadas a área de arte e comunicação, principalmente. O fato é que, mesmo que você não seja um grande fotógrafo, consegue fotos lindas no aplicativo e ainda pode mostrá-las para o mundo, participar de concurso e, quem sabe, ver uma foto sua em alguma exposição de instagramers.

Pois é aí que entra meu outro assunto. Os desafios no Instagram viraram mania. E a banda Móveis Colonias de Acaju resolveu fazer um bem especial: era só postar uma foto de Brasília com a hashtag #bsbemteuolhar que eles iriam imprimir a foto e adesivar algumas paradas de ônibus na cidade. Nessa brincadeira, 4 fotos minhas estão ajudando a estampar a parada de ônibus da 612 norte.

Minha homenagem para a cidade que amo

Sem falsa modéstia, gostei das minhas fotos sim. Mas comecei a pensar como é fácil tirar fotos aqui em Brasília. Basta acordar mais cedo para se deparar com um céu espetacular, multicolorido. Ou dar um passeio na beira do lago em um dia ensolarado. Ou, quem sabe, procurar grafites pela cidade, como minha amiga Taís Matos adora fazer. Sem contar a arquitetura. Mude um pouquinho o ângulo e você terá uma foto linda e nada convencional.

Olha só, sem querer acabei entrando no meu terceiro tema: uma homenagem a minha cidade. Afinal, não dá para deixar de homenageá-la. E digo mais, talvez seja por eu ter nascido aqui que eu tenha me interessado por fotografia. Porque é impossível não sentir vontade de fotografar esse céu, o azul e as cores de quando ele nasce e de quando ele se põe. Não dá para passar batido pelos ipês amarelos, anunciando as chuvas e deixando a cidade sorrindo.  Não tem como ignorar o lago, a ponte JK num dia ensolarado e até e numa tempestade. E a esplanada? O contraste dos monumentos brancos com o céu azul, ou amarelo, ou laranja, ou roxo, ou a cor que ele quiser estar. E as flores? As árvores? As luzes? O verde? As alamedas? Os típicos cobogós?

Não tinha jeito melhor de homenagear minha cidade do que colocar suas fotografias no Instagram. Obrigada, JK!