terça-feira, 12 de julho de 2016

Sobre expectativas


Expectativas são traiçoeiras. Por mais que a gente se exercite, medite e tente não criá-las, elas vão aparecendo no nosso caminho e, quando percebemos, já estão numa proporção tal que deixá-las para trás torna-se doloroso.

Da primeira vez foi mais uma tentativa afetá-lo do que realmente afastar-se. Mas, no fundo, ela sabia o tamanho das expectativas que podiam crescer dentro em seu peito. Mesmo assim, pouco tempo depois achou (ou quis achar) que estava tudo bem. Não estava.

Quando sentimos, parece que nossa mente vagueia em um balé desengonçado, com pernas e corpos jogando-a para todos os lados, sem rumo certo. Por mais que ela já consiga entender a diferença entre o ser idealizado pela sua paixão e a pessoa real que ele é; por mais que, ao vê-lo, ela sinta quase nada, ou quase nada, do que sentia antes, tê-lo ao alcance dos dedos é passar a contar novamente com aquela presença em sua vida. 

Receber um telefonema logo após tentar livrar-se das últimas lembranças físicas; sentir sua insistência em estar por perto; reconhecer esse campo de energia quando encontram-se, que oscila entre a vontade de tocar, de falar, de contemplar e o medo de não saber se é o certo; poder conversar até tarde da noite, novamente, sobre a vida; lidar com mensagens que a remetem a tempos em que eram muito mais um para o outro do que são hoje; esbarrar com ele ou qualquer de suas lembranças em lugares inesperados; tudo isso a faz acreditar que o universo está conspirando em favor deles e que existe algum espaço de retorno. 

Sua vida está caminhando sem ele e precisa continuar nesse trajeto do qual ele não faz mais parte. Por mais que ela sinta tudo isso e por pior que pareça o não ter novamente, ela sabe que não existe qualquer espaço para os dois serem qualquer coisa além de rostos conhecidos. Por mais difícil que seja ficar sem notícias e precisar torcer, de longe, para que ele encontre o próprio caminho, suas estradas não estão mais juntas. 

Sim, esse é um adeus e não se sabe se será revogado em algum momento. Mas um adeus necessário, porque algumas feridas, se mal cicatrizadas, abrem-se constantemente.