segunda-feira, 4 de abril de 2016

Lágrimas




Perdi as contas de quantas vezes repeti: não sei mais chorar. E você insistia: bobagem, você sente tudo por todo mundo. E sentia, sem derramar uma lágrima.

Mas naquela manhã eu chorei: de tristeza, de dor, de raiva. Chorei quando te vi pela primeira vez imóvel, dormindo, e quando percebi que não poderia dar meu último abraço. Chorei quando te pedi para não ter medo, mesmo eu estando em pânico, e te disse que estou aqui, aconteça o que acontecer. Chorei quando sonhei contigo e entendi que você queria me pedir para ficar bem e não chorar. Chorei quando te vi pálido. Chorei quando toquei pela última vez no seu rosto e percebi que não ouviria mais sua voz. Chorei. E não existe um só dia desde então que eu não chore, em lágrimas ou em palavras.

Durante a sua breve passagem pelos meus dias, você me deixou sorrisos e muito carinho. Escreveu histórias, arrancou risadas e me presenteou com uma caixa de boas lembranças. Você me devolveu a capacidade de perdoar até o que eu achava ser imperdoável, a capacidade de sentir e a vontade de ajudar. Você me fez entender que meus sonhos podem estar acima das angústias e das desilusões. Você colocou muito mais cor nos meus dias.

Há um ano todo aquele amor que eu sentia eternizou-se dentro do meu peito com a lembrança do seu sorriso. Obrigada, por tudo!