quinta-feira, 12 de março de 2015

Você, tempestade





Toda vez é assim. Você vem como uma tempestade de verão, inunda tudo aqui dentro e vai embora. Deixa rastros por toda parte.

Durmo escutando seu barulho e acordo pensando em tudo o que você causa quando passa. Acordo com seu gosto, seu cheiro, seu toque. Com seus olhos deitados sob os meus. Acordo com seu peso, a textura da sua pele, mas nem sinal de você.

Aquela música começa a tocar por aqui. Aquela da primeira vez: but as long as you are with me, there's no place I'd rather be. Sonho com a nossa dança e toda a naturalidade da nossa presença. Com as nossas risadas, as nossas caretas. Acordo pensando como tudo é incrivelmente simples e descomplicado quando estamos juntos. Lembrando como as peças dos nossos mundos se encaixam tão bem. Mas acordo sem você.

Eu sempre gostei de tomar banho de chuva. Nem sei se quero que você seja uma garoa permanente, tenho medo de perder esse sol tão lindo que nasce após a tempestade. Tenho medo de perder essa naturalidade, essa leveza e descobrir que as coisas não são tão descomplicadas assim. 

Mas esse querer mais seca a minha boca. Faz tanto tempo que você não chove por aqui...