terça-feira, 9 de maio de 2017

Sobre deixar o amor ir embora (e um coração exausto)





Dói, dói mesmo. E parece que nunca vai deixar de doer. Por mais que você já tenha passado por isso, que você já conheça o começo, o meio e o fim desse sofrimento, a dor não é menor, apenas familiar. Dói todo o investimento emocional que você fez, doem todas as batalhas que você lutou para viver esse amor. Dói, sobretudo, perceber que, mais uma vez, você aceitou tão pouco. Logo você que sabe e sempre soube amar. Logo você que não mede esforços para o amor. Tão pouco, de novo. E continuando doendo. Dói ficar longe, abandonar os sonhos. Dói se sentir tão pouco valorizada. Dói enxergar a ingratidão, a falta de respeito, a falta de amor. Esse padrão que parece te perseguir... E você sabe, lá no fundo, que merece tão mais. Você, logo você, tão livre, tão leve, tão cheia de sol aí dentro. Pra que aguentar tanto peso, de tanta escuridão, de tantas presenças tóxicas? Mas dói, dói muito. E vai doer. Dói essa raiva que é dela, mas também é sua. Você que tem mania de se autoflagelar, de se culpar por tudo o que acontece, de achar que podia ter feito melhor, mesmo sabendo que deu tudo de si, tudo o que poderia ter dado. Como dói tanta insistência, né? Dói você não ter se livrado antes e ter aguentado tanto tempo ser ferida. Mas vai passar, você sabe que vai passar. Só que precisa doer. Dar adeus a um amor nunca é fácil, e não tem que ser.